Microbiota: quando não utilizar probióticos em sua prática clínica?

Cada região do sistema gastrintestinal desempenha funções específicas e possui sua microbiota. Essa homeostase mutualista ocorre por meio de interações entre ácidos gástricos e biliares; secreções pancreáticas e digestivas; motilidade intestinal; entre outros.

A composição e a funcionalidade da microbiota intestinal sofrem influência de fatores intrínsecos e extrínsecos, como genética, tipo de parto, idade gestacional, alimentação, uso de medicamentos, prática de exercício físico, etc.

A hipocloridria induzida por inibidor da bomba de prótons faz com que tenha alteração na colonização no trato gastrintestinal (TGI), principalmente nas porções proximais, contribuindo para a proliferação de bactérias. Da mesma forma, a constipação também pode alterar a microbiota, pois, segundo a literatura, o trânsito orocecal mais lento pode deixar de limpar o conteúdo luminal.

Alterações anatômicas e falta de saneamento básico com maior exposição à patógenos também são condições que possibilitam prejuízos na flora intestinal. Todos esses fatores podem estar relacionados com supercrescimento bacteriano no intestino delgado (SBID), também conhecido pela sigla em inglês denominada SIBO.

Supercrescimento bacteriano no intestino delgado

A SIBO é caracterizada pelo crescimento excessivo de microrganismos, causando sintomas como dor abdominal, distensão abdominal, diarreia, flatulência, entre outros; além de sintomas não relacionadas ao sistema gastrointestinal.

O impacto nutricional no paciente engloba excesso de produção de gás e água; desconjugação bacteriana de ácidos biliares, resultando em redução da absorção de vitaminas lipossolúveis; competição de nutrientes entre bactérias e hospedeiro; diminuição da produção de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC); aumento da permeabilidade intestinal e inflamação sistêmica.

Manejo nutricional na SIBO

Após diagnóstico, o tratamento abrange antibioticoterapia como padrão outro e ajuste dietético. Na revisão de Rodriguez et al. (2019), os autores apontam que dietas com baixo teor de FODMAP (oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis fermentáveis) podem diminuir os substratos fermentáveis ​​no contexto da SIBO. O objetivo dessa abordagem é eliminar completamente os carboidratos simples altamente fermentáveis ​​que são encontrados em produtos lácteos, frutas, legumes, etc.; e reintroduzi-los gradativamente concomitantemente com o tratamento.

Sabe-se que os probióticos podem atuar suprimindo citocinas pró-inflamatórias, modulando a microbiota intestinal, mantendo a integridade da mucosa do intestino e alterando a hipersensibilidade visceral. Apesar disso, a literatura ainda é inconclusiva na probioticoterapia em pacientes com SIBO, pois em alguns estudos os resultados foram positivos, entretanto, os participantes também faziam uso de antibióticos. 

Não é incomum que pacientes com Síndrome do Intestino Irritável (SII) também apresentem SIBO devido a disbiose, principalmente no que diz respeito a alteração qualitativa da flora intestinal. Ghoshal, Shukla e Ghoshal (2017) referem que em um dos estudos analisados, a associação de probióticos com antibióticos possibilitou a recuperação mais rápida do quadro em alguns indivíduos. Já em outro, somente a distensão abdominal foi teve melhora de acordo com os participantes. 

O número de estudos a respeito do tema ainda é escasso, considerando a fisiopatologia e as comorbidades associadas. Faz-se necessário acompanhamento multidisciplinar e manejo dietético individualizado com o objetivo de suprir possíveis carências nutricionais e auxiliar na recuperação da flora intestinal.

O 11º Gluten Free acontecerá nos dias 22 e 23 de julho, em São Paulo, e receberá os maiores palestrantes da nutrição no país, além das principais marcas de suplementos, nutracêuticos e superfoods durante a feira de exposição. 

Clique aqui e saiba mais sobre o GF 2022.

REFERÊNCIAS

RODRIGUEZ, David Avelar et al. Small Intestinal Bacterial Overgrowth in Children: a state-of-the-art review. Front Pediatr. Mexico, p. 1-20. set. 2019. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31552207/. Acesso em: 01 abr. 2022.

GHOSHAL, Uday C; SHUKLA, Ratnakar; GHOSHAL, Ujjala. Small Intestinal Bacterial Overgrowth and Irritable Bowel Syndrome: a bridge between functional organic dichotomy. Gut Liver. Índia, p. 196-208. 15 mar. 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28274108/. Acesso em: 01 abr. 2022.

Uma resposta

Os comentários estão desabilitados.